noventa e nove

03 fevereiro 2006

Desridicularizar a questão

"O que é engraçado nesta discussão toda é ver o pessoal do Bloco a defender uma instituição profundamente conservadora como é o casamento, e por outro lado ver os da chamada "direita liberal" - que supostamente defende que o Estado deve intervir o mínimo possível na esfera privada - a aplaudir a decisão de não permitir o casamento entre duas pessoas do mesmo sexo. Julgo também que trazer para a conversa a polígamia ou o incesto - como já vi num outro blogue - são tentativas de ridicularizar uma questão que não deve ser ridicularizada." por Edgar, The Sock Gap

Tomei a liberdade de publicar o comentário, porque considero que a questão merece maior destaque do que aquele que o link dos comentários encerra.

O mundo anda ao contrário. Os que se dizem uma coisa, defendem outra e os que defendem essa, dizem-se outra coisa. Ou seja, defendo aquilo que mais me convém em determinada altura, ignorando aquilo que sempre defendi. Mas, isto já é costumeiro. Daqui a pouco vem previsto na constituição.

Também já li num outro blog, aliás, penso até que foi nos comentários de um post publicado n'O Espectro, que trazer à baila a questão da poligamia era ridicularizar uma questão que não deve ser ridicularizada. Que a questão não deve, de facto, ser ridicularizada, é verdade e recebe a minha assinatura por baixo. Agora, que o simples facto de falar na poligamia seja ridicularizar a questão, já estou em desacordo. Eu não quero pôr mais achas na fogueira, aliás, nem me vou alargar no assunto. No entanto, eu apenas imagino como seria se, no exercício do seu pleno direito de manifestar a sua opinião, um homem que viva com duas mulheres e que se diga apaixonado pelas duas quisesse, alegando que já foi aberto um precedente, casar com as duas à luz da igreja?

VB