noventa e nove

26 fevereiro 2006

Resposta...

... a este post. Por maradona, n'a Causa foi Modificada.

«Professor Doutor Vasco Pulido Valente devia abster-se num sem número de matérias, e esta devia encabeçar a lista. A produção de valores incomparáveis numa área qualquer agora é sinal de "miséria". Quer dizer, se um gajo produzisse bens universalmente apreciados como os chocolates da Bélgica, ou os carros da Alemanha, ou os perfumes e as excelentes centrais nucleares da França, o design da Itália, os móveis da Suécia, etc e tal, tudo isso constituiria naquela cabeça sinal claro de desenvolvimento do país, agora jogadores que produzem jogadas e imaginações de bola nos pés como mais ninguém, o facto de toda a gente os querer e de nós não termos dimensão (DIMENSÃO, Professor Doutor Vasco Pulido Valente, D-I-M-E-N-S-Ã-O), para os manter cá nos nossos clubes de bairro, não, é sinal de "miséria". (...)»


De facto, escrever sobre o que não se conhece nunca dá muito resultado. Ficou provado que VPV não percebe muito de futebol. Mas, o que me faz confusão é que nem sequer é preciso perceber muito de futebol para se saber que levar o nome de Portugal além fronteiras, através dos nossos talentos, não é significado de "miséria nacional". Muito pelo contrário. Será que VPV acha que nomes como Amália e Figo deveriam ter ficado confinados aos limites do nosso pequeno território? E o Guterres? Será que se VPV fosse convidado para um qualquer cargo noutro país, com uma maior visibilidade, recusaria? Em nome do prestígio nacional?

VB